Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Parir em Paz

Parir em Paz

Começou o Advento!

Hoje é o primeiro dia do advento!

E porque amanhã já estamos em Dezembro.... E este fim/início de ciclo, esta também relacionado espiritualmente com nascimento e renascimento em todas as culturas porque no inverno o Sol, a Luz, esconde-se e surge a escuridão.

Como é para vocês receber o inverno / natal?

Dia 21 de Dezembro ( hemisfério norte) comemoraramos a entrada do inverno e a noite mais longa do ano - Yule. Invocamos o poder da natureza para que traga de novo a Luz para iluminar a escuridão da Terra (inverno).

A escuridão é necessária para perceber a Luz e dar continuidade assim ao ciclo vida-morte-renascimento. É o caso das sementes que são semeadas para morrerem dentro da terra e renascerem na primavera.

Este é um dos Sabás mais antigos já que todas as culturas reconheciam a existência de um Deus do qual vem a Luz e que sempre foi chamado de Sol-Deus em torno do qual gira o ciclo da vida.

Yule é o momento de renascer, de transformação, de fazer uma introspecção sobre nos próprios lembrando-se sempre que dias melhores virão.

Deixo um Ritual simples, nada convencional, onde as palavras fluem do coração e não dos livros:

Dezembro é o mês propício à união da família, porque não fazer um altar onde homenageamos a nossa família, onde colocamos 21 velas ( se começares no dia 1 de Dezembro) 

Todos dias, acendemos a vela correspondente ao dia e aos dias anteriores ( por exemplo, no dia 1 acendemos só uma vela, no dia 2 duas velas, no dia 3, 3 velas e assim por diante, cada vez com mais luz, até que no dia 21 acendemos 20 velas mais 1 especial, maior, mais bonita) 

Sempre que acendemos velas contamos histórias em família, todos os membros podem participar e sugerir alguma coisa para fazer nesse momento especial que é acender a vela... Porque não praticar yoga ou meditar? 

No dia 21 ( Quem preferir dia 24 pois o Natal é uma festa pagã) acendemos a vela especial, é a grande festa da família.... E fazemos algo especial. Partilha connosco as tuas ideias, para fazer em família, quando acendemos a vela. E dia 21/24 o que vais fazer de especial? 

Está semana é a altura de trabalhar o reino mineral, pedras e água foram adicionadas a nossa caminhada, para a semana trabalhamos o reino vegetal - vela verde - é altura de ir à procura do musgo!  Depois envio fotografia! 

Um bom Inverno!

Feliz Yule !
Muitas bênçãos !

Dia sem compras

No último Sábado do mês de Novembro, é celebrado todos os anos, a nível mundial, o DIA SEM COMPRAS(Buy Nothing Day), uma forma de nos manifestarmos contra o consumismo insustentável nos países industrializados.

O objectivo deste dia é incentivar à reflexão e alertar para o Consumo Responsável. Cada vez mais o planeta está fragilizado pela acção humana e como consequência temos que desenvolver uma consciência da pegada ecológica originada pela produção, transporte e eliminação dos produtos que temos à nossa disposição nas superfícies comerciais.

Sábado, dia 29 de Novembro é assinalado o Dia Sem Compras.

Hoje aproveite para reflectir. Compre Menos, Viva Mais!

~ SabemOs Parir ~


)O( Circulo de cura multidimensional para mulheres grávidas )O(

~ CelebrandO entre irmãs O prazer de parir mOrrer e renascer ~ 

"Temos que contar toda a verdade sobre o nascimento: A verdade que inclui a transformação, o domínio, a satisfação, o poder pessoal e a diferença entre dor e sofrimento."

(Cheri van Hoover)

~ gestar ~ parir ~ amar ~

~ o útero sagrado ~ o ninho do bebé

~ a vulva e o canal do parto ~ o portal da mOrte 

~ a dura passagem de menina a MULHER ~

"Porque parir, é passar de um estágio a outro. É um rompimento espiritual e como todo rompimento, provoca dor. O parto não é uma enfermidade a ser curada. É uma passagem para outra dimensão". 

(Laura Gutman)

~ as contrações como fonte de força para o parto ~ a rendição e a entrega ~ a passagem para o OutrO lado do véu 

"As mulheres se perguntam porque as contrações são tão dolorosas, porque são tão fortes... Mas o que uma mulher precisa saber é que a força da contração, é a força de seu próprio corpo.

Ela é tão forte como a contração.

E assim ela é capaz de dominá-la."

(Erin Fullam - Parteira)

~ no parto como no sexo ~ 

~ activação das memórias da sabedoria das nossas ancestrais ~ sabemos PARIR!

Local: Serra de Sintra 

Data: domingo 21.dez.2014 ~ YULE~
Solstício de Inverno

Yule é noite de parto, é noite de nascimento...

Valor de troca:25 euros

Horário 10h ~ 21h

Material necessário e outras informações serão dadas no acto da inscrição .

Parirempaz@gmail.com

O Advento está a chegar

Advento - adventus, em latim - significa vinda, chegada. É uma palavra de origem profana que designava a vinda anual da divindade pagã, ao templo, para visitar seus adoradores. 

Quatro domingos antes do Natal, inicia-se o Advento. Este ano inicia-se no dia 30 de Novembro . Cá em casa é simbolizado por uma coroa feita de ramos de pinheiro com 4 velas, esta coroa é feita por nós, com arame coberto com uma fita vermelha a prender os ramos verdes. Cada semana que antecede o Natal está relacionada com um reino da natureza, que se prepara para a Grande Noite.

1º. Domingo - Reino Mineral – Vela Azul
2º. Domingo – Reino Vegetal – Vela Verde
3º. Domingo – Reino Animal – Vela Amarela
4º. Domingo – Homens – Vela Vermelha

O Natal não têm a sua génese em práticas religiosas, mas antes nas culturas pagãs.

O dia 25 de Dezembro aproxima-se, no hemisfério norte, ao solstício de Inverno e era nesta data que as culturas pagãs celebravam o "Natalis Solis Invictus" (Nascimento do Sol Invencível), uma celebração ao deus-sol, Mitra.
Em muitas partes do mundo antigo a comemoração do deus-sol coincindia com o solstício de Inverno, altura em que os povos comemoravam o final das colheitas. A influência do culto pagão terá levado a que este dia fosse o escolhido para celebrar a data oficial do nascimento de Cristo. Aliás, na Bíblia não está assinalada nenhuma data específica.

O assinalar do nascimento do deus-sol não influenciou apenas a escolha do dia de Natal. Estas festividades envolviam também a decoração de árvores e a troca de presentes. Apesar da hipótese de que estas duas tradições tenham sido introduzidas por Martinho Lutero no século XVI, há quem advogue a sua origem pagã. Por exemplo, segundo a mitologia babilónica, Ninrode (neto de Noé) gostava de receber presentes debaixo de uma árvore depois de morto. Mas esta não é a única ligação do paganismo às árvores: a madeira servia para adoração e culto doméstico porque simbolizava a vida, enraizando-se à terra e projectando-se verticalmente.

Também as velas provêm de uma tradição pagã: eram utilizadas ao crepúsculo para homenagear o deus romano Júpiter, chamando o Sol depois de este se pôr. As grinaldas, que hoje são colocadas nas portas das casas em Dezembro, eram utilizadas no Egipto Antigo para proteger e agradecer: significavam o fim da colheita (ano) e protegiam o lar - daí a sua forma redonda.
O presépio é outro elemento de carácter ambíguo. Apesar de se saber que foi introduzido por São Francisco, há quem defenda que se trata de uma representação de um altar a Baal, figura consagrada na antiguidade babilónica e que estimula a idolatria. Os banquetes são, por outro lado, um hábito antigo e bem documentado. Bebia-se e comia-se com fartura, especialmente na altura dos solstícios. Era um sinal de aliança com Talmuz, Nirode e outros deuses da Babilónia. Nos dias de hoje, o costume da "grande ceia" mantêm-se.

A festa do Natal é, por isto tudo, mais que um dia religioso do Cristianismo. Tornou-se uma data assinalada globalmente, mas com origem ancestral e múltipla: provem também das culturas pagãs, algumas de carácter mundano. De uma altura em que as comunidades adoravam o Sol e agradeciam à Terra os bons anos de agricultura sem calamidades. A Igreja Romana, com a forte presença destes costumes pagãos, integrou-os, na impossibilidade de os excluir, dando-lhe um significado religioso. Durante a Idade Média, estas tradições persistiram no mundo feudal ocidental, enraizaram-se e mantêm-se na cultura popular dos dias de hoje.



Co.mover.se - Relações de Cura . 6 e 7 de Dezembro . Quintinha do Mar . Ericeira

Este curso destina-se a quem se quer tornar mais consciente nos seus relacionamentos.

A qualidade das nossas vidas depende muito da qualidade das nossas relações. São elas que nos fazem sentir seguros e únicos. Mas, porque é que, mesmo dando o nosso melhor, por vezes as relações parecem becos sem saída?

Muitas vezes, a aprendizagem sobre o amor veio misturada com dor, incompreensão e violência. Se nos habituámos a chamar a esse conjunto 'amor', aprendemos a ter medo de amar. Não queremos ser magoados outra vez, associamos o amor à rejeição e à dependência.

Através de exercícios divertidos e informação essencial vamos questionar-nos sobre as nossas crenças sobre os relacionamentos e a forma com influenciam o nosso dia-a-dia.

Há certo e errado nos sentimentos?

Como podemos reconhecer e ultrapassar os nossos medos da intimidade?

Descobriremos quais os companheiros ocultos do amor  para cada um dos participantes e vamos traze-los à luz para que possamos voltar a saber distinguir amor de não-amor.

Vamos aprender a reconhecer os nossos padrões de relacionamento, conhecer os seus recursos e as suas armadilhas.

Falaremos também dos vários tipos de amor: Eros, Amnios,  Pragma, e Agape; e da importância das hormonas ocitocina e adrenalina no estabelecimento de vínculos.

O objectivo deste curso é levá-lo a experienciar um estado de ressonância: vemos, sentimos e aceitamos o outro tal como ele é; e somos vistos, sentidos e aceites como realmente somos.

Recupere as partes de si a que renunciou para ser amado e volte a viver a capacidade de amar que se conserva intacta por trás das barreiras.

Aprenderá a:

Ter consciência do seu tipo de vinculação e da forma com influencia as suas relações pessoaisSentir e identificar situações significativas das relações do passado que se reproduzem no seu presenteReconhecer os companheiros sombra do amor que trouxe da sua infância e deixá-los irCompreender o que é o amor cego da criança e transformá-lo em amor iluminado e adultoDistinguir entre máscara, camada secundária e essênciaComunicar de forma positiva, já não baseada na culpa mas sim na soluçãoRecuperar as partes de si a que renunciou para ser amadoRecordar e viver a sua própria capacidade de amar que se conserva intacta por trás das barreiras

Participação: Valor de cada nível  90 euros 
Valor dos dois niveis em conjunto: 160 euros
10% desconto para pagamentos até 15 de Novembro
Duas bolsas de 50% a atribuir a pedido, pagamento dos restantes 50% em tempo ao Banco de horas da Associação Renovar a Mouraria

Inscrições são consideradas por ordem de chegada para o mailquintinhadomar.geral@gmail.com ou 913 149 650 |966 173 637
Transferência para o Nib: 0033 0000000 4530013789

Vagas limitadas: Mínimo 8, máximo 15

Facilitadora: 
Fátima Marques fez formação ao longo de 18 anos em Massagem Biodinâmica, Constelação Familiar, Psico-Energética, Gestalt. Trabalha como terapeuta e formadora há 16 anos, tendo colaborado como formadora, entre outros, com o Instituto Macrobiótico de Portugal, Associação Moinho da Juventude da Cova da Moura, Escola Superior São Vicente de Paula e Universidade Católica. Organizou e fez parte de formações em Dragon Dreaming e Way of Council, entre outras, interessa-se pelos processos de transição e sustentabilidade aplicados às relações humanas e acredita no potencial curativo de trazer à luz as dinâmicas ocultas dos relacionamentos. Fundadora do projeto Saúde para Todos. 

Olá

Coragem: Agir a partir do coração - 30 de Novembro - Bhumi - Carcavelos


"Muitas vezes tento imaginar um mundo onde não estqamos em competição com os nossos companheiros  humanos, mas onde verdadeiramente, loucamente, celebramos quando os outros realizam os seus sonhos. Imagina só. Um mundo onde nos entusiasmamos por cada um que que se realiza - onde não vemos as realizações dos outros como uma recordação de que ainda não conseguimos o mesmo - mas como a prova viva de que também é possivel para todos nós. Adoro quando alguém realiza algo que se propôs fazer, quando a fénix renasce das cinzar com atualização nas suas asas. Vamos incitar-nos uns aos outros a ir mais alto. Vamos encorajar cada um a acreditar na nossa maginficência partilhada!" JEFF BROWN?

Somos todos a mesma tribo a habitar o mesmo planeta. 

Data: 30 de Novembro 2014
Horário: das 10h às 18h
Local: Estrada da Rebelva, 307A - 2775 Carcavelos 

Valor: 
Constelante individual 80€ (inclui um acompanhante)
Representante 40€ 
* Desconto de 10€ para dois amigos ou familiares. 
** Bolsas disponíveis a pedido.

Informações e inscrições: 
sermulherdesperta@gmail.com ou 933946615

Maternidade e o encontro com a própria sombra

O bebé é sempre um mestre graças a seu corpo pequeno, que lhe permite maior expansão no campo sensível. Por isso conseguem manifestar todas as nossas emoções, sobretudo as que ocultamos de nós mesmas. Aquelas que não são apresentáveis socialmente. As que desejaríamos esquecer. As que pertencem ao passado.

A sobrevivência da humanidade

Ao nascer, o corpo do bebé  separa-se do da mãe. O cordão umbilical é cortado e mãe e bebé deixam de ser um só. Será mesmo assim?!

Não. O território emocional não se separa, mãe e bebé vivem em fusão emocional. Essencial para a sobrevivência da humanidade!

A mãe, em fusão com a sua cria, tem a capacidade de sentir o que acontece com o bebé, a mãe sente se o bebé sente dor, fome, solidão, medo, etc.

Quando a mulher não dá à luz na sua condição natural – ou seja, se ela pare com medo, com violência – o seu instinto de sobrevivência - proterger-se - vai falar mais alto do que o instinto materno - proterger a cria.
O mesmo ocorre com outros mamíferos. Por exemplo, uma leoa que dá à luz na selva, no seu habitat natural, terá instinto materno e cuidará dos filhotes. Já uma leoa que dá à luz no cativeiro, assustada, irá deixar os filhotes de lado e tentar defender-se, em primeiro lugar.

Como é o contexto do parto da nossa sociedade? 

- submissão feminina
-parto com intervenções

Etc

As mulheres parem com MEDO

As mães, por terem parido neste contexto, deixaram o instinto materno de lado.

Repercussões desta bola de neve?
Meditem sobre isto...

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub