Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Parir em Paz

Parir em Paz

Dar uma palmada na altura certa?????

Recebi este mail que me deixou a pensar....

As raízes da violência NÃO são desconhecidas
O cérebro maltratado e as emoções banidas

O que se verifica:

1 – o desenvolvimento do nosso cérebro depende daquilo a que formos
submetidos. O cérebro estrutura-se nos 4 primeiros anos de vida,
conforme as experiências que o meio ambiente proporciona à criança.
Assim, o cérebro de uma criança cuja vivência é essencialmente
imbuída de amor terá um desenvolvimento diferente do cérebro de uma
criança tratada com crueldade.

2 – A maioria das crianças do nosso planeta recebe castigos
corporais nos primeiros anos das suas vidas. Aprendem a violência
logo de início e esta lição fica inscrita no seu cérebro. Nenhuma
criança nasce violenta. A violência NÃO é genética. Existe porque as
crianças que recebem castigos corporais utilizam na sua vida adulta
a lição que os seus cérebros assimilaram.

3 – Como as crianças não se podem defender quando recebem castigos
corporais, devem reprimir a sua ira e a sua raiva contra os pais que
os humilharam, que aniquilaram a sua empatia inata e que insultaram
a sua dignidade. Exteriorizarão essa raiva mais tarde, quando
adultos, contra bodes expiatórios e sobretudo contra os seus
próprios filhos. Privados da sua empatia, alguns vão dirigir a sua
raiva contra eles próprios (através de desordens alimentares,
dependência às drogas, depressão, etc) ou contra outros adultos
(através das guerras, do terrorismo, da delinquência, etc).

Perguntas/ respostas :
P : Os pais infligem castigos corporais aos filhos para que estes
obedeçam, sem pensarem duas vezes no assunto. Ninguém, com excepção
de uma pequena minoria, protesta contra este hábito perigoso. Porque
é que este esquema tão evidente (que leva uma vítima enganada a
tornar-se perpetrador) é completamente ignorado pelo mundo inteiro?
Porque é que até os Papas, responsáveis pelo comportamento moral de
milhões de fiéis, nunca os informaram que bater nos filhos é um
crime?

R : Porque quase TODOS nós recebemos castigos corporais e tivemos de
aprender muito cedo que estes actos cruéis são supostamente normais,
inócuos e até bons para nós. Nunca ninguém nos disse que constituíam
um crime contra a humanidade. Esta lição errada, imoral e absurda
foi gravada nos nossos cérebros em desenvolvimento. Isto explica a
cegueira emocional que governa o mundo.

P : Podemos livrar-nos da cegueira emocional que desenvolvemos na
nossa infância ?

R : Podemos, pelo menos até um certo ponto, libertarmo-nos dessa
cegueira se ousarmos vivenciar todas as nossas emoções reprimidas,
inclusive o nosso medo e a nossa raiva proibidas contra os nossos
pais, que muitas vezes nos aterrorizaram nesses longos anos que
deveriam ter sido os mais belos da nossa vida. Não podemos recuperar
esses anos. Podemos sim, ao enfrentar a verdade, transformar a nossa
criança interior cheia de medo e negação num adulto bem informado e
então responsável que pode por fim reconquistar a sua empatia, da
qual foi privado tão cedo. Ao tornarmo-nos adultos responsáveis, não
podemos mais negar o facto seguinte : bater em crianças é um acto
criminoso que deveria ser proibido mundialmente.


Conclusão :

Respeitar e satisfazer as necessidades emocionais das nossas
crianças significa muito mais do que proporcionar-lhes uma infância
feliz : significa permitir aos cérebros dos futuros adultos que
funcionem de modo saudável e racional, isento de perversão e
loucura. Forçar uma criança a aprender que bater-lhe é bom para ela
é a lição mais absurda e mais incoerente, cujas consequências são
muito perigosas. Esta lição, juntamente com o facto da criança
perder o contacto com as suas verdadeiras emoções, constitui as
raízes da violência.

http://www.alice-miller.com/index_fr.php

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub